Alongamento

Existe basicamente duas técnicas de alongamento: o alongamento estático e o dinâmico

No alongamento estático o terapeuta ou o próprio paciente alonga o músculo até a posição de tolerância, ou seja, moderado desconforto, que então é mantido por um período (geralmente de 30 a 60 segundos) antes de retornar para a posição inicial. Esse tipo de exercício utiliza o efeito do relaxamento progressivo nos tecidos moles, obtendo-se como resposta um lento alongamento contínuo. Alguns estudos apontam que este estilo de alongamento evoca menos reflexo protetor ao alongamento, portanto, teria menos risco de precipitar lesões musculares.  Os objetivos são:  relaxamento de músculos tensos e ganho de flexibilidade. 

Já o alongamento dinâmico (ou alongamento balístico) envolve o balanço repetido da parte do corpo que está sendo alongada. Essa técnica, por meio de contrações musculares dinâmicas e repetidas diversas vezes, tenta ganhar energia cinética para aumentar o limite do alongamento. A aplicação do alongamento balístico pode favorecer o desempenho do atleta que treina: flexibilidade, velocidade ou potência.  Portanto, ele pode ser usado como precursor efetivo ou aquecimento para o treinamento pliométrico, por exemplo. 

Alongamento estático dos músculos posteriores de coxa

 

 Posição inicial e final de alongamento dinâmico dos músculos posteriores de coxa

 

Fonte: Moisés Cohen & Rene Jorge Abdalla.  Lesões nos esportes: Diagnóstico, prevenção e Tratamento. Editora Revinter.