Crioterapia

“Vamos fazer um gelo?”

Muito utilizado no meio esportivo e nas clínicas de reabilitação, a aplicação de gelo é um dos métodos da crioterapia, terapia pelo frio, uma das modalidades da Fisioterapia que utiliza o frio nas suas diversas formas para retirar o calor dos tecidos. Iremos explicar as principais indicações, contra-indicações, efeitos fisiológicos, modalidades terapêuticas e aplicações da crioterapia, para assim compreendermos melhor a frase “Vamos fazer um gelo”.

 

• Indicações

As principais indicações são:

- Redução da dor – analgesia;
- Contenção do processo inflamatório e do edema;
- Restrição da área do trauma;
- Redução do espasmo muscular;
- Diminuição do metabolismo celular;


 

Principais indicações nas lesões ortopédicas:

-  Lesões musculares;
- Entorses articulares;
- Traumas agudos;
- Luxações;

 

 

• Efeitos Fisiológicos
Para entendermos como o frio pode nos ajudar precisamos saber antes o que acontece quando estamos com um processo inflamatório ou sofremos um trauma. Uma inflamação pode ter diversas causas como bactérias, vírus ou traumas que irão lesionar algum tecido do corpo humano. Com a lesão, no caso de um trauma, ocorrerá o extravasamento de sangue com liberação de diversas substâncias (mediadores químicos) que começaram o processo inflamatório para tentar reparar o tecido, ou seja, sarar a lesão. As principais características desse processo são o calor, a vermelhidão (rubor), o edema, a dor e a perda de função do tecido.

Agora que sabemos resumidamente como acontece o processo inflamatório iremos descrever os principais efeitos da crioterapia. 

A aplicação de frio numa determinada região proporciona a diminuição da temperatura local, com esse resfriamento o fluxo sanguíneo local acaba ficando mais lento diminuindo a hemorragia decorrente da lesão, e assim consegue restringir a área do trauma evitando lesões por hipóxia secundária (lesões decorrentes da falta de oxigênio no tecido). Além disso, ocorrerá a diminuição do diâmetro dos vasos sanguíneos (vasoconstrição), com isso diminuirá o extravasamento de líquido no tecido, contendo o edema. Outro efeito do resfriamento do tecido é a diminuição do metabolismo celular, fazendo com que as células trabalhem lentamente, inclusive as células nervosas e os receptores de dor, o que leva ao maior controle dos estímulos dolorosos, proporcionando a analgesia.

Curiosidade: Podemos estar nos perguntando que, se o frio vai diminuir o processo inflamatório, também vai prejudicar o reparo tecidual, já que esse processo ocorre justamente para resolver a lesão. Devemos ficar atentos ao fato de que o processo inflamatório, na tentativa de reparo tecidual, pode ser nocivo ocasionando lesões progressivas como fibroses. Além disso, a baixa temperatura atuará nos sintomas e não na causa da lesão tecidual.

O que você irá sentir?

Durante a crioterapia, dependendo da modalidade usada e da área a ser tratada, os primeiros dois minutos provocarão sensação de queimação e dor, isso pode manter-se até aproximadamente 5 minutos numa intensidade cada vez menor. Após essa fase, começará a ter acomodação da dor e surgirá a analgesia ou uma sensação de anestesia.

• Modalidades e Aplicações:

Existem diversas modalidades terapêuticas na crioterapia como: bolsas frias de gel de sílica ou ativadas quimicamente; pacotes com gelo; banho de imersão; massagem com gelo; Polar Care Cooler; Cryo Cuff e sprays frios. Iremos explicar as mais usadas, mas sua aplicação vai depender da área lesionada e da parte do corpo a ser resfriada. Quanto maior a espessura do tecido adiposo maior tempo para resfriar e nas áreas com a pele mais fina menor tempo. 

Antes de qualquer aplicação procure um profissional capacitado! 

 

Pacote de gelo: 

A principal e mais barata modalidade da crioterapia é a bolsa ou saquinho de gelo. Simples de fazer, utilizando cubos de gelos, de preferência picados dentro de bolsas apropriadas ou somente sacolas plásticas.

Aplicação: recomendada para regiões pequenas do corpo; se forem utilizadas em articulações a dica é tirar o ar do saquinho, para ficar mais moldável. Utilizada na fase aguda da lesão, 24 a 48 horas após a lesão (começo do processo inflamatório) e em lesão como entorses, distensões musculares e traumas agudos.

Tempo: 15 a 20 minutos de aplicação contínua. 

No processo inflamatório existe um protocolo para aperfeiçoar a aplicação do gelo, principalmente na diminuição do edema, que é a elevação com compressão da região lesionada. Normalmente recomendamos ficar deitado na hora da aplicação e colocar o membro lesionado para cima, pelo menos 20cm acima do coração, com a compressão do gelo, utilizando, por exemplo, uma faixa ou atadura.

Cuidado: Esse tempo de 15 a 20 min é o período mínimo necessário para ocorrer o resfriamento e proporcionar efeitos terapêuticos.  Deixar passar esse tempo, ou seja, mais que 20, 25 minutos levará há efeitos prejudiciais no tecido, como queimaduras ou dores exacerbadas.

 

 

Banho de Imersão:

A imersão utiliza o gelo com água num recipiente.

Aplicação: Utilizada normalmente para extremidade do corpo onde o pacote de gelo não se molda adequadamente ou para ter um resfriamento de grandes regiões do corpo. Na imersão não conseguiremos realizar a elevação, mas teremos pressão da água proporcionando a compressão na região da lesão. 

Tempo: 10 a 15 minutos de aplicação contínua.

Cuidado: Por estar numa temperatura mais baixa o resfriamento é mais rápido, por isso o tempo de aplicação é mais curto.

 

Spray:

Existem diversos Sprays no mercado com uma grande variedade de componentes químicos como: cloreto de etil, fluorometano, álcool isopropílico, mentol, cânfora etc. 

Aplicação: para traumas ou lesões superficiais. Atua principalmente no alívio da dor.

- Vaporize em uma toalha por 2 a 3 segundos e aplique com leve compressão a toalha no local lesionado;
- Se for aplicar direto na pele, vaporize a pelo menos 30 cm de distância da pele por 2 a 3 segundos.

Cuidado: Leia sempre as recomendações do fabricante antes de aplicar o Spray. Por ter um resfriamento muito rápido o risco de queimadura é mais alto, nunca aplique nos olhos e tenha muito cuidado com aplicações em crianças.


• Contra-indicações

Iremos citar algumas contra-indicações e cuidados na hora de aplicação do gelo. Vale sempre ressaltar que qualquer doença ou lesão a ser tratada com a crioterapia deve antes ser indicada por um profissional habilitado como o Fisioterapeuta.

- Hipersensibilidade ao frio;
- Distúrbios vasoespásticos:

• Fenômeno de Reynaud
• Distrofia Simpático-Reflexa;
• Gota;

Cuidados:

Doenças periféricas vasculares e neurológicas;
Crianças;
Regiões onde a pele é mais sensível ou fina;
Regiões onde passam vasos sanguíneos e nervos como atrás do joelho (fossa poplítea);

 

A Mobilitá deseja uma reabilitação refrescante!!! 

 

AUTOR: Fábio Pamplona Mariano